Desventuras linguísticas em Rostov Velikij

“Toc toc” — alguém bate na porta do nosso vagão.

Abri e dei de cara com a fiscal do trem que apenas disse “Rostov!” e saiu a passos apressados antes que pudéssemos fazer qualquer pergunta. Nem o “thank you” fez questão de ouvir, já que não falava outra língua a não ser russo.

Estávamos chegando no km 224 da transiberiana. Uma cidade pequena e meio abandonada, mas que guarda um tesouro na beira do rio Nero: o Kremlin de Rostov.

Saímos da estação e caminhamos por 20 minutos, em um cenário deserto com casas abandonadas. Aquela era uma das cidades mais antigas de toda a Rússia. Cruzamos com alguns olhares curiosos de locais e seguimos rumo ao Kremlin.

Ruas de Rostov (Arquivo pessoal)

Chegamos à bilheteria que contava com uma placa em inglês com os horários de abertura. Imaginei que ali alguém falaria o idioma, já que se tratava de um local turístico. Ledo engano. A maioria dos turistas são russos.

“English? Italiano? Français? Português? Español?” — tentei todas as línguas que era capaz de falar, mas a cada pergunta, a atendente negava com a cabeça e desviava o olhar como quem busca uma saída de escape ou alguém para salvá-la.

O máximo que consegui foi uma lista em inglês de cada atração com seu respectivo preço. Já era alguma coisa. Compramos o bilhete “combo” e iniciamos nosso passeio pelo Kremlin — um dos mais antigos do país.

(Arquivo pessoal)

O Kremlin de Rostov é uma fortaleza com grossas e altas paredes, e grandes torres de batalha nas laterais. Acima das muralhas foram feitas passagens que permitem que você ande por toda a fortaleza e explore os edifícios que a compõem.

Meus parceiros nessa viagem: meus pais!

É permitido visitar todo o seu interior, que conta com exposições sobre a história do lugar, a arte, etc. A que mais gostei foi a sala dos sinos, onde é possível tocar sinos de vários tamanhos e sons, e ver todas as etapas da construção de sinos de catedrais. Sem contar que a senhorinha que cuidava era muito amigável (coisa rara na Rússia!)

Também é possível almoçar dentro do Kremlin em um restaurante que te faz voltar no tempo, com lustres de velas e cozinha típica russa. Eles oferecem menu em inglês, mas não falam a língua.

Uma das paisagens mais bonitas é o jardim com um lago artificial, onde muitos artistas passam o dia pintando a paisagem e vendendo suas obras.

(Arquivo pessoal)

Depois de conhecermos todo o Kremlin, era hora de voltar para a estação e seguir nossa rota na transiberiana. Como o tempo era curto e estávamos carregando bagagens, resolvemos pedir um táxi. A atendente da bilheteria pegou logo o telefone e chamou um táxi da cidade, antes que eu pudesse dizer o destino.

“3 minutes!” e apontou para a porta de saída. Bem, se “taxi” é uma palavra que todo mundo entende, “trem” também não deve ser difícil, não é mesmo?

Logo que entramos no carro, o taxista começou a falar em russo — e assim foi por todo o percurso enquanto a gente tentava de todas as formas dizer nosso destino. Primeiro mostramos o bilhete de trem que indicava a estação de partida (Rostov) e chegada (Yaroslav) no alfabeto cirílico. O cara começou a bater no papel e resmungar. A gente apontava pra “Rostov”, mas pelo visto ele pensava que a gente queria uma carona até a outra cidade e não gostou muito da ideia.

Falei “trem” em todas as línguas que conseguia, coloquei no google tradutor e mostrei para ele…nada. Ele continuava a falar, já não sabia se bravo ou apenas confuso. Mostrei a imagem de um trem e…nada ainda. No desespero arrisquei até um inglês com sotaque russo, mas é claro que não fez diferença. O táxi continuava a andar a 2 km/h enquanto a gente já pensava em desistir (e o cara continuava a falar). Até que meu pai apontou a direção da estação e Eureka!! Continuamos sem entender uma vírgula do que o taxista dizia, mas pela entonação ele tinha entendido finalmente. Meu pai continuou apontando o caminho (que era uma reta) só por precaução, vai saber né…

Entrada da estação de Rostov (Fonte: wikipedia)

“Uffa! Agora é só pegar o trem! O que mais pode dar errado?”

Conferi o painel de horários — todo em russo— e lá estava o trem para Yaroslav que chegaria dentro de 15 minutos. Só não entendia em que plataforma o trem passaria, pois no painel estava escrito “8”, mas a estação só contava com 4 plataformas. Resolvi me arriscar a pedir informação na bilheteria. Mostrei meu bilhete eletrônico e apontei em direção às plataformas.

A mulher pegou o bilhete, telefonou para alguém e ficou falando por uns 3 minutos. Desligou, devolveu o bilhete e começou a fazer um sinal negativo com as mãos.

“Ué, não tem trem?!” —pensei.

A mulher então começou a gritar, enquanto fazia o sinal negativo com os braços e chegou a se levantar para deixar bem claro para mim o que eu não conseguia entender, a não ser que ela estava furiosa e era melhor eu sair da sua frente.

Nessa altura já não sabia se iria partir trem ou não, muito menos em que plataforma passaria. Mas se “quem tem boca vai a Roma, quem é bom de mímica chega em Yaroslav”. Foi a vez de perguntar para dois guardas sentados na área de espera: a primeira, ao ver o bilhete, fez sinal positivo e apontou para o relógio como quem diz “ainda não está na hora”, mas ao perguntar da plataforma, ela só dizia “sim”.

O guarda ao lado tentou nos ajudar falando tudo em russo, o que não resolvia a situação, mas ao menos foi gentil e atencioso, deixando a entender que a plataforma correta era a 1.

“Ok! Problema resolvido!” — não tão cedo!

O guarda pediu para ver novamente o bilhete e, não convencido, foi conferir as informações com o painel e confirmar com a senhora da bilheteria. Voltou com um semblante de que agora estava tudo claro — pelo menos para ele.

Nos chamou e pediu para segui-lo. Foi caminhando conosco pela plataforma enquanto explicava tudo sobre o trem, a direção que passava…deve ter até explicado o porque da senhora da bilheteria estar de mau humor. A gente só concordava e seguia. Nos acompanhou até a plataforma 2 e apontou para o trilho com sinal positivo.

“Moscou vai para aquele lado, Yaroslav para esse lado” — Agora sim descobrimos a bendita plataforma, mesmo sem entender uma palavra.

Por precaução, o gentil guarda ficou nos observando da entrada da estação até pegarmos o trem correto. Nos despedimos de longe, sem ao menos saber seu nome.

Quem diria, nem todos os heróis falam inglês.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s