Como é ser mulher em um país africano?

Saí de casa ontem pra pegar o ônibus e no caminho dois caras começaram a barrar minha passagem, dizendo “hey bonita, por que não fala com a gente, hein linda?”. Olhei pra eles com a cara de quem já estava esgotada disso e consegui seguir em frente. Nisso, um senhor de idade, que tinha visto a cena, me deu um bom dia muito simpático com um olhar que me transmitia calma.

Entrei no ônibus e torci pra que nenhum homem sentasse do meu lado e ficasse falando asneiras ou me comprimindo contra a janela, como já aconteceu. Por sorte, sentou uma mulher. É um alívio que não sei descrever. No caminho fiquei pensando naquele senhor. Será que sua mulher ou filhas já sofreram algum tipo de violência sexual? Provavelmente.

A maioria das mulheres que convivo aqui já sofreu violência sexual e tortura. Infelizmente, estupro é uma poderosa arma de guerra. Por mais que não transmitam no comportamento, a dor que carregam se revela no olhar, não só delas como de seus maridos; não só aqui, como muitas outras mulheres que conheci e que convivo no Brasil.

Aqui um homem pode ter relações fora do casamento, principalmente se a mulher não for fértil. Mas a mulher não pode nem pensar nisso, pois, na opinião deles, mulher não sente tesão, ela só serve para gerar filhos. Muitos filhos, devo acrescentar. É cultural dos congoleses ter mais de cinco filhos, mesmo em condições precárias.

Nesses quase três meses de Quênia, já ouvi coisas como:

“Por que não é a Munike que está lavando os tecidos? Isso é coisa para uma mulher fazer.”
“Se teu marido mandar tu tirar as tuas tatuagens, vais fazer o que?”
“Mas a bíblia diz que o homem é superior e que você veio de um homem, e, se está na bíblia, é correto.”
“Já não é hora de você casar e ter filhos?”
“Como vocês tem coragem de colocar uma mulher na presidência do seu país? E ela não é nem casada??”

Começo respondendo se eles tem consciência de que estão falando com uma mulher e questiono qual a diferença entre nós. Por que meu gênero me torna inferior? Por que dá abertura pra que me cantem na rua, no ônibus? Qual o problema de eu ser solteira com 25 anos? E os faço entender que nem todo mundo segue o mesmo livro, acredita no mesmo Deus e pensa dessa forma.

Muitos amigos me dizem pra me cuidar, pra ficar quieta, pra fingir que não ouço, porque aqui é perigoso. Ora, qualquer lugar é perigoso. Tenho abertura de falar com meus amigos refugiados, os mesmos que tiveram as esposas violentadas, mas ainda pensam que, por eu ser mulher, não tenho os mesmos direitos deles. Uma conversa saudável onde todos param pra pensar. Alguns riem com o ar de que minhas idéias são muito revolucionárias. Eu rio junto pra quebrar o gelo, seguido de “mas não é, meninos? A gente é igual! A diferença é que ainda não raspei meu cabelo como o de vocês.”

Então me perguntam “como é ser mulher em um país africano?”. É ser mulher como em qualquer lugar do mundo. Não é fácil.

Anúncios

Um comentário sobre “Como é ser mulher em um país africano?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s